17 ago, 2022

Tecnologia Inclusiva: Como impulsionar a acessibilidade na indústria desportiva

blog

Share on Facebook

Entenda a importância de clubes e federações se focarem cada vez mais na inclusão e acessibilidade no desporto e como a tecnologia pode revolucionar a vida de milhares de fãs.


Já alguma vez experimentou fechar os olhos por alguns segundos em qualquer evento desportivo? Se ainda não o fez, a recomendação é fazer para sentir a energia e colocar-se no lugar daqueles que não conseguem ver o que está a acontecer em campo ou em quadra.  

 

Estima-se que a cegueira afeta 39 milhões de pessoas em todo o mundo e que 246 milhões de pessoas sofrem de perda de visão moderada ou grave. Isso representa uma parcela significativa da população mundial que pode e deve ter acesso àquilo que lhe é de direito, como por exemplo, desfrutar de um jogo de futebol ou de qualquer modalidade desportiva. 

 

No entanto, estar de facto fisicamente presente num evento deste tipo, não é assim tão simples. Para que uma pessoa invisual possa aceder a uma experiência completa de um jogo, é necessário entender não só o que acontece no relvado, mas também o que há ao seu redor. Este processo vai muito além da comum narração que ouvimos na rádio, é necessária uma audiodescrição em tempo real daquilo que está a acontecer. 

 

Outra questão importante a ter em conta é a ascensão de temas como a acessibilidade e inclusão nas organizações, seja na cultura corporativa ou no que imprimem nos seus produtos. A preocupação é totalmente legítima, traz resultados de negócios e impulsiona uma cultura de acessibilidade.  

 

Neste sentido, organizações desportivas estão cada vez mais atentas no que toca ao universo da inclusão no desporto. Seja em termos da atividade física propriamente dita, com políticas e sistemas de apoio ou com o engagement de fãs, que, apesar das dificuldades, não renunciam aos seus clubes.  

 

Isto envolve os fãs como um todo, aumenta o sentimento e o espírito de união que uma equipa propõe. 

 

E é graças à tecnologia que clubes e federações já conseguem impulsionar a diversidade no desporto de diferentes formas.  

 

Mas afinal qual é a diferença entre narração e audiodescrição? 

 

A narração aproxima-se muito ao que ouvimos no rádio. Há um narrador que rapidamente descreve os passes dos atletas. Muitas vezes, este tipo de narração tende a ter uma diferença de segundos entre aquilo que está a acontecer e a transmissão ao ouvinte, o que compromete a experiência do evento. 

 

Já a audiodescrição oferece uma narração com muito mais detalhes, enfatizando a experiência no campo ou quadra. Neste caso, o narrador da partida fornece descrições adicionais de todas as informações visuais, como linguagem corporal, os lances, os equipamentos, expressões faciais, comemorações, etc. Fatores como a localização no campo, as variações de flanco, a direção e altura dos remates ou a própria identidade dos jogadores acabam por ter uma importância maior do que o lado mais relacionado à performance do relato. 

 

Na audiodescrição a narração é completa. Desde os lances, aos detalhes do que se está a ver e ao que ecoa no jogo. A técnica sonora realmente transporta pessoas invisuais para uma completa sensação de que se está a assistir, já que se trata de uma narração do que é visto e não apenas do que acontece.  

 

 

Há algum exemplo tecnológico já aplicado? 

Sim. Com o objetivo de colmatar este gap no mercado e impulsionar a equidade na indústria desportiva, a ARMIS Digital Sport, em parceria com Jesus Suarez Lopez desenvolveu a App Escoita. Uma aplicação que entrega ao utilizador com perda parcial ou total da visão a experiência completa de se estar em um campo ou quadra, independente da modalidade desportiva.  

 

Esta aplicação baseia-se numa ferramenta de audiodescrição, tornando muito mais claro tudo aquilo que acontece durante a partida e até mesmo os detalhes. O foco é oferecer uma boa experiência do utilizador durante a navegação, de modo a que o uso da Escoita seja recorrente em Clubes e Federações, que de facto se preocupem com a necessidade da inclusão no desporto.  

 

Outra questão que a aplicação resolve é a latência entre o acontecimento e a narração. Agora, quando um fã comemora, todos comemoram juntos, já que a audiodescrição acontece, de facto, em tempo real.  

 

A tecnologia tem revolucionado a inclusão no desporto. Para saber como levar mais diversidade e transformação digital para a sua organização, entre em contacto com os especialistas da ARMIS Digital Sport.  

 

Conheça todas as funcionalidades da App Escoita aqui.  


Partilhar esta notícia:
Share on Facebook

Prepare a sua empresa e os seus colaboradores para o futuro. Contacte-nos!

Autorizo a ARMIS a recolher as minhas informações pessoais conforme descrito nos Termos e Política de Privacidade.

Notícias Relacionadas